Review Asus M4A78T-E (790GX + SB750): Ótimo desempenho por um preço justo

Review by Soulforged

1. INTRODUÇÃO
Com as últimas notícias sobre a nova arquitetura da AMD para desktops de alto desempenho (Bulldozer), ficamos sabendo que as atuais placas AM3 não serão compatíveis com os novos processadores. Apesar de ser um balde de água fria nos planos dos entusiastas, temos ótimos CPUs disponíveis atualmente como os Phenons II X4 e X6 que terão alto desempenho ainda por um bom tempo, tendo em vista que as gerações de processadores não obsolescem tão rapidamente quanto as VGAs, por exemplo.

Os Bulldozers ainda demorarão cerca de um ano para serem comercializados e pela experiência com o mercado brasileiro não devem ser encontrados facilmente por aqui antes do natal de 2011, o que justifica parcialmente o investimento numa plataforma AM3. Segundo as informações que se estão sendo divulgadas até o presente, parece que ficaremos livres do efeito 939/AM2, pois os processadores AM3 atuais serão compatíveis com as placas mãe para a próxima arquitetura, intitulada temporariamente de AM3+.

O efeito 939/AM2 pode ser explicado pelo fato de que as placas do primeiro socket tiveram uma vida extremamente curta (devido ao lançamento das memórias DDR2), deixando vários usuários irritados com a AMD, pois os mesmos ficaram com processadores 939 em condições de uso, que poderiam ser perfeitamente aproveitados em um HTPC ou servidor de arquivos/downloads, mas que estão engavetados porque nunca mais verão uma placa mãe compatível (a Asrock até lançou uma placa 939 equipada com 785G - 939A785GMH/128M - mas provavelmente nunca será vista no Brasil).

Eis que então, testamos a Asus M4A78T-E, equipada com a dobradinha Northbridge 790GX (Radeon HD 3300) / Southbridge 750. Este último suporta a função ACC que permite desbloquear núcleos ou cache “adormecidos” em processadores Phenom II. A placa situa-se numa faixa de valor entre R$ 350,00 e R$ 500,00 (graças às distorções do mercado brasileiro) e representa uma boa opção para quem não está interessado em pagar pelo ágio inicial com o qual os processadores “Zambezi” e “Orochi” e a APU Fusion devem chegar.

2. A ASUS M4A78T-E

A M4A78T-E é uma placa de segmento médio/alto equipada com o chipset AMD 790GX que traz o IGP Radeon HD 3300, que ainda possui (juntamente com o Radeon 4290 do 890GX) a melhor performance em termos de vídeo integrado que a AMD oferece no momento. Vale ressaltar que apesar de ter lançado o mercado de IGPs em um patamar bem superior ao que existira anteriormente em termos de vídeos onboard, estes IGPs não substituem uma placa de vídeo “de verdade” para quem quer fazer uso do computador para jogos (salvo se você for jogador das fazendinhas nas redes sociais da vida...).



A placa suporta toda linha de CPUs AM3 da AMD (Phenom II, Athlon II e Sempron 100 series) sem exceções, fazendo-se necessário somente observar qual a(s) BIOS compatível(is) com seu processador. Quanto ao suporte a memórias, a placa dispõe de quatro slots DDR3 até 1600MHz. É extremamente recomendável que seja observado no site do fabricante quais os pentes de memórias testados e em quais configurações.

Uma rápida olhada nos sites de pesquisa revela uma grande quantidade de problemas de incompatibilidade entre memórias DDR3 e placas mãe de diversas marcas. A placa em questão reservou ingratas surpresas quanto ao uso de memórias não testadas, comportando-se de maneira aleatória com módulos Geil e OCZ. Só conseguimos estabilizá-la quando utilizamos dois módulos Kingston value (KVR1333D3N9/2G) extremamente populares no Brasil, e que constam na lista de suporte oficial da placa.



A M4A78T-E tem um PCB bem construído, apresentando facilidade para a instalação dos conectores e placas de expansão. Possui dois slots PCIe x16 2.0, dois slots PCIe x1, dois slots PCI 2.2, além de conector para porta serial COM1 (expansão não acompanha a placa). Quanto ao dissipador de calor sobre o northbridge apesar de ser relativamente grande, recomendamos a instalação de uma ventoinha sobre o mesmo, pois não raramente chega a 70ºC (medição feita com o sensor do gabinete). Há ainda conectores IDE para dispositivos parallel-ata (pata) e conectores para disquete (por que heim!?).

A M4A78T-E suporta Hybrid CrossfireX® com placas de vídeo low end como a HD2400, HD3450/70. Lembrando que o HD 3300 é baseado no RV620 e não é compatível com placas de entrada da série 4000 e 5000. A placa também suporta CrossfireX® com os slots PCIe 2.0 16x configurados em modo 8x/8x. Caso seja utilizado apenas um dos slots ele funciona em modo 16x.




As portas SATA da MA478T-E as placas ficam completamente livres caso você instale uma placa de vídeo parruda no primeiro slot PCIe (azul). No caso de CrossfireX® com placas grandes, o posionamento das portas (todas apontadas para cima) pode causar alguns transtornos, sendo necessário observar a ordem de instalação dos componentes. Na imagem acima também podemos ver três conectores para placas de expansão USB 1.1/2.0 (que totalizam doze portas, juntamente com as seis traseiras) e um conector firewire.




Em todo seu PCB, a placa utiliza apenas capacitores sólidos, que segundo a Asus garantem 57 anos de vida útil (dos capacitores, não da placa) a 65ºC. Seu VRM possui 8 fases para o CPU e 1 para o northbridge interno (cujo indutor está destacado em vermelho). Os mosfets são refrigerados por um tímido dissipador passivo, contudo suficiente para manter a temperatura da placa sempre abaixo de 50ºC mesmo sob estresse.




O painel traseiro possui várias portas e conectores, como é comum em placas mãe de médio e alto custo. Estão presentes:
• 01 conector PS2 para teclado;
• 06 portas USB 1.1/2.0;
• conectores de vídeo D-SUB – 2560 x 1440 @75Hz / DVI 1920x1200 (1080p) / HDMI 2560 x 1600 @60Hz;
• 01 porta e-SATA (suporta AHCI ou IDE mode);
• 01 porta firewire (VIA VT6315N);
• 01 conector RJ-45 gigabit ethernet (Atheros L1E) e
• áudio de 08 canais (VIA VT1708S) que suporta Jack-Detection (detecção da conexão do fone de ouvido ou caixas de som), Multi-streaming (permite ouvir duas fontes diferentes de áudio em dois conjuntos diferentes de alto-falantes) e Jack-Retasking (que re-configura o Jack de acordo com o dispositivo plugado).


Compõem o box no qual a placa é comercializada: espelho traseiro, manual em inglês, esquema de funcionamento do Asus Turbo Key®, DVD-ROM com drivers e aplicativos gerais e proprietários, além de 04 cabos SATA onde 2 possuem conector de 90º, cabo IDE e pequenos conectores que ajudam na montagem do painel e da USB frontais.


3. ESPECIFICAÇÕES


4. BIOS SETUP



A BIOS da M4A78T-E é o modelo da AMI, de fundo cinza, onde se navega através das setas do teclado. Muitas das opções são diretamente editáveis, em outras você precisa usar o [enter] para acessar a função e o [esc] para retornar ao menu anterior.



Na guia Main, encontram-se as opções hora e data do sistema, configuração dos discos e unidades óticas, bem como é possível setar em Storage Configuration o modo como seus discos funcionarão (RAID, AHCI e IDE). A grande maioria dos usuários costuma deixar seus discos SATA configurados como IDE, o que desativa boa parte dos recursos dos mesmos, como por exemplo o NCQ.



Na guia Advanced é possível encontrar opções de configuração avançada do CPU, chipset, dispositivos onboard, USB e PCI plug and play. Normalmente não é necessário fazer alterações em nenhum das configurações avançadas, salvo a opção CPU Configuration.



Nesta opção, é possível dentre outras coisas, pode-se ativar o suporte à função cool’n’quiet (que por padrão vem desativada), além do estado de energia C1E (que apresenta um certo histórico de problemas onde o processador muitas vezes apresenta comportamentos estranhos).

Neste caso recomendamos que teste a opção C1E, mas no caso de comportamentos estranhos deixe-a desativada. A opção Advanced Clock Calibration - como todo “AMDuser” que se preze sabe - permite destravar núcleos e memória cache “adormecidos”. Vale lembrar que esta opção não surte efeito em Phenons da série 900 e 1000 por serem CPUs completos, além de sumir com a leitura dos sensores de temperatura dos mesmos.


Se o processador instalado por um Phenom 1055, 1075T ou 1090T ainda será encontrada nesta guia o opção do Turbo Core que em aplicações que usam poucos núcleos eleva o clock de metade dos núcleos até 500MHz para o 1055 e 1075T e 400MHz para o 1090T.



Na guia Power, encontramos a leitura de temperatura do CPU e da placa mãe, além das voltagens, velocidade dos coolers e a função CPU Q-Fan Function que serve para controlar a velocidade das três ventoinhas conectas à placa mãe. Esta é uma bela opção para quem preza por um computador silencioso.

Existem três níveis de rotação (“optimal”, “performance” e “silent”). Todos eles diminuem a rotação, mas diferem nos níveis máximo e mínimo, sendo “peformance” o que causa menor redução e “silent” o que causa maior redução de RPM e ruído.

Observem que CPU Fan Speed foi setado como “Ignored”, tendo em vista que com o perfil silent ativo no Q-Fan a ventoinha da CPU costuma girar em menos de 800rpm no post, fazendo com que a placa acuse uma irritante mensagem de erro ao ligar computador.




Na guia Tools encontramos algumas opções extras das placas mãe da Asustek que permitem dentre outras coisas atualizar a BIOS a partir da própria BIOS, bem como salvar perfis de overclock. Estes features normalmente definem uma placa mãe de médio/alto custo, apresentando recursos que levam fazem o diferencial de um ou outro fabricante.




O EZ Flash 2 permite fazer atualização de BIOS, através um arquivo previamente salvo em algum local do seu computador. É também utilizado no caso de tentar instalar uma versão de BIOS mais antiga do que a atual, o que não pode ser feito via Windows em placas da Asus.



Encontramos também a opção Express Gate que serve para ativar o acesso a um mini sistema operacional baseado em Linux, que possui algumas opções básicas de entretenimento. No caso da M4A78T-E, o Express Gate é algo tecnicamente inútil, pois se faz necessário primeiro instalar o sistema operacional para que se possa instalar esta mini distro.


A opção O.C. Profile Configuration é algo que todo overclocker sonha. Permite guardar até 8 perfis de overclock que incluem todas as configurações anteriores que você definir na BIOS antes do salvamento. É ótimo para quem gosta de testar os mais extremos limites que seu hardware pode suportar, pois caso seja necessário usar o clear CMOs, basta carregar o perfil salvo e todas as configurações estão de volta sem a necessidade de re-configurar a placa. Palmas pra Asustek neste quesito.

5. OPÇÕES PARA OVERCLOCLOCK

No menu Ai Tweaker, o usuário pode fazer todas as operações necessárias à estabilização de overclock de forma rápida e simples. É necessário alterar a opção AI Overclock Tuner para manual, para que as outras opções se tornem editáveis:



• CPU Ratio – permite alterar em intervalos de “0.5” o multiplicador de clock da CPU para baixo (em todos os processadores) ou para cima (em processadores black edition);
• FSB Frequency – permite alterar o clock base em intervalos de “1MHz”, que, por conseguinte altera todos os clocks a ele atrelados;
• PCIE Frequency – permite definir em intervalos de “1MHz” a frequência do barramento PCI-E que por padrão é de 100MHz.
• DRAM Frequency – permite definir qual a velocidade da memória RAM.
• CPU/NB – Frequency – permite definir em intervalos de 200MHz a velocidade de operação da controladora de memória integrada. Por padrão ela opera a 2000MHz.
• HT Link Speed – permite definir a velocidade de operação do link HyperTransport.
• DRAM Controller Configuration – opções avançadas de configuração de memória.
• DRAM Timing/Driving Configuration – permite definir os timings e command rate da memória.
Voltando à tela principal do menu Ai Tweaker, temos as opções de tensão. Todas elas são editáveis diretamente, isto é, você deve digitar os valores que deseja nas opções correspondentes.
• CPU Voltage – esta opção permite alterar a tensão dos núcleos do processador em intervalos de 0.0125v e varia de 0.800v a 1.90v. Vale ressaltar que existe um jumper na placa mãe denominado ov_cpu que caso esteja desativado só permite o aumento da voltagem até 1.70v;
• CPU NB/Voltage – permite alterar a tensão do controlador de memória e tem as mesmas especificações que a opção acima;
• CPU VDDA Voltage – é a tensão do circuito PLL (Phase-Locked Loop), que é responsável pelo multiplicador de clock do processador. Tem variação entre 2.50 e 2.80v, em intervalos de 0.10v.
• DRAM Voltage – permite alterar a tensão utilizada pelos módulos de memória RAM. Varia de 1.50v a 2.50v com intervalos de 0.02v.
• HT Voltage – permite alterar a tensão do link Hyper Transport. Varia de 1.20 a 1.50v em intervalos de 0.02v.
• NB Voltage – permite alterar a tensão do northbridge (AMD790GX). Varia de 1.10v a 1.40v em intervalos de 0.02v.
• NB 1.8 Voltage – permite selecionar a tensão de 1.80v para o northbridge. Varia de 1.80v a 2.00v em intervalos de 0.20v.
• SB Voltage – permite alterar a tensão do southbridge. Varia de 1.20v a 1.35v em intervalos de 0.15v.
• CPU e PCIE Spread Spectrum – diminuem a interferência eletromagnética gerada pelo CPU e pelo barramento PCI-E. É aconselhável desativar em caso de tentar extrair clock adicional do CPU.

6. TESTES

6.1 – Configuração de Hardware

• BIOS da placa-mãe: 3401 – 04/06/2010
• Processador: AMD Phenom II X4 955BE C3
• Memória: 4GiB (2x2GiB) Kingston Value KVR1333D3N9/2G (timings 9-9-9-27)
• Disco rígido: Samsung HD502HI 5400.10 500 GB SATA II
• Placa de vídeo: AMD Radeon 3300 /AMD Radeon 5670 (Catalyst 10.7)
• Fonte de alimentação: OCZ SXS 600w
• Cooler do processador: Coolermaster Hyper TX3 – 02 fans

6.2 – Testes de overclock

Após algumas tentativas e ajustes, foi possível chegar ao clock de 3800mhz estáveis com o Phenom II 955BE C3, utilizando 1,4875v. O northbridge operava a 2400Mhz utilizando 1,3750v. Como não tínhamos uma melhor solução térmica disponível, decidimos parar nesta freqüência, mas é bem provável que com um cooler mais parrudo seja possível chegar aos 4000MHz. A placa apresenta um vdroop considerável, e a tensão medida durante os testes de estresse, utilizando o Everest foi de 1,473v.

Clique na imagem para ampliar

Por outro lado, nossa opinião é que overclock deixa de valer apena quando você precisa gastar rios de dinheiro com refrigeração adicional, além do notável aumento no consumo de energia, pois a relação entre aumento de tensão e consumo em watts não ocorre de forma linear.

Ainda é importante considerar que chegamos a 3700MHz estáveis utilizando 1,4375v e precisamos de 1,4875 para estabilizar em 3800MHz, fazendo com que a quantidade de vcore investida para ganhar apenas 1000MHz de freqüência não valha apena.

Outro ponto a ser considerado é que o recurso cool’n’quiet é desativado automaticamente ao setar um multiplicador superior a 18.5x no CPU ratio, fazendo você ter que mexer no clock base se não quiser perder a economia energética proporcionada pelo recurso.

6.3 – Testes gerais
a) IGP

Fizemos alguns testes no vídeo onboard da M4A78T-E, mas já sabendo que o HD 3300 não conseguiria nada de extraordinário. Rodamos os benchmarks de Resident Evil 5 e Devil May Cry 4 (ambos da CAPCOM) que trazem um benchmark integrado. Apesar de ser um ótimo vídeo onboard, o HD 3300 não é capaz de rodar jogos atuais em condições satisfatórias, por isto os testes foram feitos em dx 9.0C, utilizando resolução de 800x600 pixels e detalhes em low. Lembrando que a placa mãe traz 128mb de memória DDR3 integrados dedicados ao vídeo onboard que podem ser somados com memória do sistema. No caso configuramos o IGP para utilizar 512mb (128 sideport + 384 memória do sistema).




O máximo que o HD 3300 pode oferecer em termos de games é uma experiência razoável para um jogador não costumaz. Para alguns jogos mais antigos em dx9.0c é possível que o vídeo satisfaça suas necessidades, bem como para jogos de emuladores SNK Neo Geo, CPS1 e CPS2. Por outro lado, o chipset 790GX dá e sobra para assistir vídeos sem ocupar o CPU, pois oferece suporte à decodificação de arquivos codificados com VC-1, H.264, WMV e MPEG-2 com até 1080p (full HD).

b) Áudio

Apesar de não termos materiais disponíveis para testes de áudio mais específicos, nossas impressões foram positivas quanto ao chip VIA VT1708-S. O mesmo não apresenta ruído audível mesmo quando todos os volumes máximos foram acionados no Windows. Utilizamos drivers atualizados (versão v7900a-1), que podem ser baixados no site da VIA Technologies. Para quem se importa com uma boa experiência sonora com o áudio integrado, a M4A78T-E é uma boa opção, dentro da medida do desejável para um áudio integrado.

7. SOFTWARES INTEGRADOS

A Asus disponibiliza alguns softwares proprietários com o DVD de drivers da M4A78T-E, além do Express Gate sobre qual falamos anteriormente. Entre eles temos:


a) Asus update que permite atualizar, salvar e fazer outras alterações na BIOS dentro do Windows.


b) Asus EPU (Energy Processing Unit) é semelhante à tecnologia DES (Dinamic Energy Saver) da Gigabyte. Em uma explicação simplória, faz ajustes no sistema para que se possa economizar o máximo de energia, incluindo ai desligamento de fases do VRM entre outras alterações no hardware da placa mãe. Possui alguns perfis que podem acionados manualmente tanto para performance, quanto para economia, além da uma opção auto que gerencia todo o sistema de acordo com as cargas de trabalho.


c) Um programa interessante disponibilizado com as placas Asustek é o Asus AI Suite. Em suas opções pode ser encontrado algo sui generis que chama-se Asus Q-Fan II. Este aplicativo permite alteração dos perfis velocidade das ventoinhas sem precisar sair do sistema para acessar o BIOS da placa. O que dizer? Queríamos que todas as placas mãe possuíssem um aplicativo como o Q-Fan II.

d) o Asus PC Probe II que serve para monitoramento do sistema, mostrando rotação dos fans, voltagens entre outros.

e) Asus Turbo V que lembra um pouco o AMD overdrive permitindo alteração de componentes que influem no overclock, tais como clock base, vcore, etc. Em todo caso, ainda somos da opinião que o lugar de fazer overclock é na BIOS....

8. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Eis a pergunta que não quer calar: “A esta altura vale apena investir numa placa mãe AM3?” O autor deste review acha que sim. Vejamos:
1) Ainda falta um tempo relativamente grande para a chegada da APU Fusion Llano, bem como dos processadores da arquitetura Bulldozer.
2)Estes processadores não devem chegar com preços tão convidativos e ainda teremos que aturar o ágio inicial cobrado pelo fato de serem novidade.
3) Plataformas AM3 ainda tem muito a oferecer. Um Phenom II X4 ou X6, bem como um Athlon X4 devem lhe proporcionar um belo desempenho até que as novas arquiteturas, tanto da Intel quanto da AMD se tornem mais palatáveis do ponto de vista financeiro.

É verdade que quem possui um quad-core AM2+ com 4GiB de RAM ou mais não tem motivo migrar para AM3. Possivelmente você ainda poderá extrair um bom desempenho do seu computador (até porque CPUs AM3 são retrocompatíveis), e quando pretender adquirir um Bulldozer ou Sandy Bridge deve encontrar memórias DDR3 com freqüências maiores e preços mais acessíveis.

Por outro lado, se você quer sair de uma máquina obsoleta ou mesmo de um processador AM2 mais antigo, aconselhamos a montar uma plataforma AM3 e divertir-se até que novas tecnologias se tornem financeiramente viáveis, o que para nós brasileiros, não deve ocorrer antes do natal de 2011. Além disto, provavelmente novos CPUs e a APU Fusion não estarão na mesma faixa de preço dos chips atuais. O incremento de desempenho demandará incremento de dinheiro de nossos bolsos.

Neste caso, a Asus M4A78T-E é uma ótima opção para quem deseja o melhor que a AMD pode oferecer atualmente. Uma placa-mãe que possui diversos recursos, além um VRM poderoso (8+1 fases) que proporciona ótimos níveis de overclock sem comprometer a temperatura ou durabilidade do hardware. Possui um vídeo onboard que pode quebrar o galho até a consecução de uma VGA mais potente, porém de você dispõe de poucos recursos aconselhamos a investir em uma placa mãe mais simples e gastar dinheiro na placa de vídeo.

Apesar de não possuir recursos como o SATA 6.0Gbps e USB 3.0, achamos que isto - pelo menos atualmente - não comprometerá o desempenho da máquina, tendo em vista que os SSDs atuais não fazem uso completo nem do SATA 3.0Gbps, além de dispositivos USB 3.0 serem extremamente raros (e caros) devem levar um tempo considerável para se popularizarem no mercado.

Por fim, a Asus M4A78T-E apresenta um custo relativamente bom para uma placa do seu segmento, sendo possível encontrá-la em alguns e-commerces nacionais por valores inferiores a R$ 400,00 reais. Outra vantagem de montar um AM3 é que tudo indica que estes CPUs serão compatíveis com as placas mãe lançadas para os bulldozers, evitando que no futuro próximo tenhamos ótimos processadores sem uso por falta de placa mãe.
----------------------
Review by Soulforged

Comentários