Os aspectos não conclusivos do teste do Intel Core i5-2400 SandyBridge no AnandTech

O teste do processador Intel Core i5 2400 Sandy Bridge publicado hoje no AnandTech provocou fluxos incontroláveis de purpurina exalados das narinas dos fanboys da Intel que pululam em fóruns de ti no Brasil e no exterior. 


Um dos aspectos que deixou esses fãs de celeron mais emocionados foi a "informação" (divulgada também aqui) de que a CPU testada pelo AnandTech era a versão do Sandy Bridge com apenas 1 GPU e 6 EUs (Execution Units).

Entretanto, uma leitura mais atenta desse teste evidencia que a fanboyzada da Intel pode estar excessivamente otimista com o último rebento de sua favorita, especialmente no que respeita a performance gráfica, além de elucidar alguns fatos. São eles:

1. Anand Lal Shimpi (o proprietário do AnandTech) efetivamente NÃO sabe se testou um Intel Sandy Bridge com 1 núcleo de GPU ou 2 núcleos. Sim, ele colocou nos gráficos de performance que é um Sandy Bridge 1C, entretanto, se você for aqui, verá que ele apenas "acha" que se trata de um Sandy Bridge com 1 núcleo de GPU. Veja o que está escrito:


"In the GPU side, the part I’m testing appears to be the single-core GPU configuration (6 EUs)."

Tradução: "No campo da GPU, o componente que eu estou testando PARECE ser uma configuração de um único núcleo de GPU".

Ou seja, ele não sabe (update: parece que agora ele mudou de opinião, veja aqui) se o chip que ele testou tem efetivamente 1 ou 2 GPU, mas nos gráficos que ilustram os resultados do teste é informado que se trata de uma versão com 1 GPU, sendo que não é colocado nenhum alerta de que aquela "informação" pode estar errada. Confira:


2. O driver usado no teste da ATI Radeon HD5450 é o ATI Catalyst 9.12, ou seja, a versão de dezembro de 2009 do Catalyst. Lembrando que desde então já houveram 8 (oito) atualizações de drivers do Catalyst, sendo que em todas elas ocorreram avanços de performance. Ou seja, foi comparada a performance do IGP do Sandy Bridge com a que a ATI Radeon HD5450 apresentava há 8 meses atrás. Ocorre que a ATI Radeon HD5450, hoje, e com o Catalyst 10.8 tem uma performance significativamente superior à esta mostrada no teste em questão.


3. As resoluções usadas para testar a performance gráfica do Sandy Bridge foram 1024 x 768 e sempre com o menor nível de detalhes possível nos jogos. É evidente que esse tipo de escolha distorce o resultado de um teste de GPU, tendo em vista que quando se usa baixas resoluções e baixos níveis de detalhes, o que influencia no resultado do teste é a CPU, e não a GPU - justamente o que está querendo testar.


Aliás, o próprio AnandTech deve saber disso, pois quando foi testar o Sandy Bridge com GPUs discretas, optou por resolução de 1680 x 1050 e nível de detalhes em "Alta Qualidade". Então não dá para entender os motivos pelos quais algumas vezes testam com 1024 x 768 e outras vezes em 1680 x 1050. Algumas vezes com resoluções baixas e no menor nível de detalhes, outras vezes com resoluções altas e com altos níveis de detalhes.


Para piorar as coisas, o AnandTech não informou qual a CPU usada no teste da ATI Radeon HD5450, o que, levando-se em conta o tipo de "metodologia" adotada, é um dado fundamental para esclarecer a performance.

O "sumiço" do AMD Phenom II X6 1090T em determinados benchs

4. Os resultados do AMD Phenom II "Thuban" X6 1090T, que aparecem em todos os outros testes de CPU, discretamente foram removidos no benchmark Cinebench R11.5. É importante lembrar que este benchmark é um dos melhores para aferir a performance de processadores com mais de 4 núcleos de processamento. Porque será que justamente nesse bench o AMD Phenom II X6 1090T foi excluído?


Entretanto, se Anand Lal Shimpi não tem certeza sobre a quantidade de núcleos de GPU do chip que ele testou, nós podemos trazer alguns dados para tentar elucidar melhor essa questão. A primeira coisa a verificar é o próprio roadmap da Intel, o qual colocamos abaixo.


Como pode se observar, o Intel Core i5 2400 é uma CPU com 4 núcleos com TDP de 95W. A suposição do AnandTech é de que esse CPU i5-2400 tem apenas 1 GPU com 6 EUs ativas, e ele tem 95W. Se existirem outras versões do Sandy Bridge com 2 GPUs ativas e 12 EUs, certamente que o Intel Core i7 2600K seria uma delas, pois é o topo de linha.

Ocorre que, segundo o roadmap da Intel, tanto o i5-2400 quanto o i7-2600 são especificados com TDP de 95W, sendo que ambos dispõem de 4 núcleos de processamento. Sendo assim, teria que haver um milagre de engenharia para que fossem dobrados os recursos de GPU em um mesmo chip, mantendo o TDP inalterado.

Ou seja, é grande a probabilidade de a "suposição" do AnanTech de que o chip que eles testaram tem apenas 1 GPU estar errada. A lógica indica que o Intel Core i5-2400 testado já é a versão com 2 núcleos de GPU (sorry fanboyzada da Intel, hehe).

Além disso, olhando os resultados de performance gráfica do Sandy Brige e comparando-os com os do Intel HD Graphics dos ClarkDale/Arradale e também do Intel G45 e suas respectivas especificações, pode ajudar a responder a essa dúvida.

O Intel G45 já dispõe de uma GPU com 10 EU´s. O Intel HD Graphics, por sua vez, já conta com um 12 EUs. Mesmo levando-se em consideração o avanço em termos de arquitetura na unidade gráfica do Sandy Bridge em relação aos HD Graphics e G45, é altamente improvável que esses ganhos são tão grandes a ponto de fazer a GPU do Sandy Bridge apresentar o dobro de performance do Intel HD Graphics com a metade dos recursos.

Um resultado mais factível seria o dobro da performance (do Sandy Bridge) com a mesma quantidade de recursos - EUs (do HD Graphics), o que corrobora ainda mais a tese de que o Intel Core i5-2400 testado dispõe, efetivamente, de 2 GPUs internas com 12 EUs.

Ademais, as informações do roadmap permite-nos supor que os Intel Core i3 "Sandy-Bridge" com 2 núcleos e 3 Threads tenham 1 GPU com 6 EUs, além de 3MB de cache L3. Os modelos i5 e i7, por sua vez, teriam o dobro de núcleos de CPU 4 núcleos, o dobro de cache L3 (6MB) e, claro, o dobro de recursos gráficos - 2 GPUs e 12 EUs.

Conclusões

É provavel que o Intel Core i5 2400 testado diponha de duas GPUs e 12 EU. Esse chip apresenta uma performance similar a uma ATI Radeon HD5450. Ocorre que a performance de uma HD5450 é o que provavelmente se observará na APU Fusion Ontário da AMD, que disporá de 80SPs e não concorrerá com o Sandy Brige.

O concorrente do Sandy Bridge será o AMD Fusion Llano, com algo entre 400 e 480SP, e que deverá apresentar um nível de performance gráfica bem superior ao Ontário e. consequentemente, aos Intel Core ix Sandy-Bridge.

Por fim, os resultados de performance desses novos processadores com GPU integrada como o Sandy-Bridge colocam um grande ponto de interrogação sobre o futuro da NVIDIA. Não é absurdo inferir que, no médio prazo, essas novas CPUs da AMD e da Intel vão acabar com o mercado de GPUs discretas de entrada de linha e mainstream.

Ocorre que é desse mercado que vem a maior parte da receita da NVIDIA, tendo em vista que GPU de altíssima performance e preço é produto de nicho, e, portanto, com baixo volume de vendas.  Se a NVIDIA não vender mais GPUs de grande volume, ela ficaria relegada ao segmento profissional, e fornecendo soluções de baixa performance para as plataformas antigas da AMD e Intel: 775, AM2+, AM3 etc.

Com o tempo esse mercado de plataformas antigas vai acabar, e a NVIDIA seria, então, expulsa do segmento de notebooks e desktops. Sem as receitas de chipsets (que já acabaram) e sem as receitas de vendas de GPUs de entrada de linha, o destino da NVIDIA será ou desaparecer ou ser comprada.

Ah! Sim, Anand Lal Shimpi provavelmente faz parte do animado grupo de espécimes relacionado no primeiro parágrafo deste artigo, com a diferença de que as razõe$ dele $ão diver$a$. De qualquer forma, isso não é novidade.

Comentários