AMD vai usar os US$ 1,2 bilhão que recebeu da Intel para pagar dívidas


Na semana passada foi fechado um acordo entre a Intel e a AMD, que terminou com a Intel pagando à AMD um valor de US$ 1,25 bilhão e assinando um acordo de licenciamento que dispensa a AMD do pagamento de royaties na produção de processadores X86. Vamos, inicialmente, entender as condições de contorno que levaram à finalização do acordo.
  • O acordo de licenciamento cruzado anterior de patentes X86 entre Intel e AMD expiraria em 2010, o que significa que a AMD precisaria renovar esse acordo com a Intel para continuar produzindo CPU x86 após esta data.
  • A Intel provavelmente não poderia impedir a AMD de continuar produzindo CPU´s X86, em função de questões legais relativas  ao estabelecimento de uma condição monopolística no mercado de CPU x86, entretanto um novo acordo de licenciamento deveria ser estabelecido e isso demandaria uma nova ação judicial que dependeria do resultado dos processos anti-truste que existiam entre AMD e Intel.
  • As ações que a AMD move atualmente contra a Intel teriam sua conclusão provavelmente em 2012, e terminaria com a Intel pagando algo entre US$ 3.5 e US$ 4.0 bilhões para a AMD. E a AMD teria que pagar algo entre US$ 1.5 e US$ 2 bilhões para a Intel pelo fato de ter produzido CPU x86 em 2011 e 2012 sem um licença válida da Intel.
  • A AMD tem um empréstimo de dois bilhões de dólares que vence em 2012. Sendo assim, as datas entre a finalização da ação com a Intel e a de pagamento desse empréstimos são desconfortavelmente próximas.
  • A Intel tem perdido todos os casos em ações anti-truste. Recentemente o principal executivo da Intel para assuntos jurídicos resolveu se retirar da Intel e, 48 horas depois, foi contratado pela Apple.
Com esses condicionantes à parte, a AMD anunciou o que a empresa pretende fazer com os US$  1,25 bilhão que está chegando a suas contas. A reserva de caixa irá quase dobrar, passando dos atuais US$ 1,5 bilhões para US$2,75 bilhões de dólares. Dado que a dívida total da AMD atualmente está ao redor de US$ 3,67 bilhões (na realidade a dívida líquida é de US2,14 bilhões), esses empréstimos não podem ser pagos em sua totalidade mesmo que a AMD use a totalidade de suas reservas de caixa.


Como pode-se observar no quadro acima, a dívida total da AMD divide-se em duas partes: em 2012, a AMD tem que pagar US$ 1,87 bilhão de dólares. Desse total, 390 milhões estão em elevadas taxas de juros (7,75% ao ano), enquanto que o restante da dívida está referenciada em uma taxa de juros de 5,75% ao ano. É importante relembrar que a dívida total da AMD há pouco mais de dois anos já foi de mais de US$ 5,6 bilhões de dólares, o que significa que a AMD reduziu essa dívida em algo como US$ 1,5 bilhão de dólares nos últimos dois ou três anos.








De acordo com Thomas Seifert, Diretor Financeiro da AMD, a companhia usou grande parte de suas reservas de caixa para recomprar parte de sua dívida quando a economia mundial entrou em crise. Nos últimos nove meses, a AMD comprou US$419 milhões de dólares de dívida gastando apenas US$ 191 milhões em cash. Esse processo irá continuar com a seguinte distribuição dos mencionados US$ 1,25 bilhão em cash:
  • Nova emissão de debêntures para investidores privados, obtendo um total de US$ 500 milhões de dólares em dinheiro. Com essa emissão, o caixa da AMD subirá para US$ 3,25 bilhões.
  • Imediato pagamento do empréstimo de US$ 390 milhões, no qual incide as elevadas taxas de jutos, e que estava previsto para vencer em 2012. Com esse pagamento, o caixa da AMD cairá para US$ 2,86 bilhões.
  • Pagar imediatamente US$ 1 bilhão do empréstimo que venceria em 2012. O caixa da AMD cairá para US$ 1,86 bilhão.
Como se pode concluir, a AMD espera que irá liquidar a maior parte de suas dívidas que venciam em 2012 até o final deste ano de 2009, deixando três anos - 2010, 2011 e 2012 para pagar os restantes US$ 485 milhões de dólares. 


Levando em consideração a velocidade com que a AMD vem reduzindo suas dívidas, a empresa deve voltar para a lucratividade mesmo pagando a totalidade desses 485 milhões. A AMD também planeja continuar a recomprar os empréstimos que vencem em 2015, e que que foram contratados a taxas de juros em torno de 6% ano ano, e também liquidar os empréstimos de US$ 500 milhões que vencem em 2017. Dessa forma, a AMD espera que em 2017 ela não tenha mais nenhuma dívida.

Outro aspecto a se considerar é que a AMD não precisa mais pagar royalties para a Intel na venda de processadores (até então, mesmo que você compre um processador AMD, uma pequena porção do dinheiro deveria ir para a Intel), o que implica que as margens de lucro da AMD devem crescer significativamente, e a situação da AMD mostra-se melhor do que nunca se tinha visto nos anos recentes.

Espera-se que a AMD irá ampliar bastante os investimentos em Pesquisa & Desenvolvimento, de forma que a AMD possa, definitivamente começar a executar seus roadmaps de forma acelerada e antecipando-se ao inicialmente estipulado. Nós devemos lembrar que o Fusion foi prometido para 2009, e só será lançado em 2011. 

Por fim, pessoas com acesso à informações de dentro da AMD dizem que o clima na empresa é de elevada confiança, e que os funcionários e executivos estão confiantes que poderão executar seus planejamentos sem a ameaça de uma Espada de Dâmocles sobre suas cabeças.


Fonte: BRIGHT SIDE OF NEWS

Comentários

  1. A AMD se firma mais no mercado com o bons Sempron 140 e ótimos Athlon II 240 e Phenon II, ela tem tudo para liderar o mercado nos proximos anos.

    ResponderExcluir
  2. A AMD está com uma linha de produtos realmente da maior qualidade. Outro dia estive na Santa Efigênia para comprar os componentes de um PC para um amigo meu, e fiquei surpreso com o fato de que SÓ HAVIA processadores AMD para vender: Athlon II, Phenom II e Sempron 140. Em meio a dez opções de AMD havia um Core i5 por, mas nem os vendedores recomendavam, pois as motherboards para Intel Core são caríssimas.
    Outra coisa que verifiquei é que os Athlon II X4 e X2 estão vendendo como água por lá. Segundo os vendedores, vende-se 20 AMD para cada Intel que é vendido.
    Apesar disso tudo, acredito que a participação de mercado da AMD deve subir bastante, mas não ao ponto de torná-la líder no curto/médio prazo. A liderança de mercado só virá se o Fusion for um sucesso estrondoso (o que eu acredito que será), e o Bulldozer também. Mas não só isso: é necessário que a Global Foundries tenha capacidade de produção compatível com um nível de demanda de líder de mercado de processadores.
    Os investimentos estão sendo feitos e a AMD tem a vantagem técnica de produzir GPU´s também, que se tornam, a cada dia, mais importantes.

    Abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui. Não esqueça de deixar seu nome. Mensagens que façam uso de termos de baixo calão (palavrões) ou conteúdo ofensivo será apagado sem prévio aviso.